sexta-feira, julho 29, 2005

cadernos de economia

Contrariando as expectativas pessimistas de analistas nacionais e internacionais, os últimos dados revelam que as recém-criadas medidas governamentais, como o ‘PIIP’ e o ‘Empresa na Hora’, podem estar a surtir efeito e a provocar um novo impulso na economia portuguesa, transmitindo confiança aos mercados e atraindo novos investidores.

Com efeito, e apesar do fantasma da recessão e das condições adversas, os últimos indicadores apontam Portugal como o país da zona Euromilhões onde o investimento mais cresceu durante as duas últimas semanas, ao mesmo tempo que se registaram um grande número de novas sociedades. A desburocratização e simplificação de registos tem facilitado a vida aos investidores, o que faz com que não haja família, aldeia, empresa, repartição ou paróquia sem as suas sociedades. A tendência até é a de cada português estar envolvido em mais do que uma sociedade, cumprindo assim um dos princípios básicos de diversificação de carteiras.

Renegando os seus hábitos seculares, prova-se assim que o empreendorismo tomou conta dos portugueses, que se desmultiplicam em apostas arriscadas na nova economia e através do canais habituais. Recuperou-se o entusiasmo e o optimismo e o país parece abraçar, finalmente, os desafios da modernidade, da inovação e do desenvolvimento da sua economia.